Todos os posts de rangerbrasil

Treinando para Santiago 2016 – 1

Para cicloturismo, o mais importante é o tempo de selim, ou seja, o tempo que o ciclista consegue ficar sentado pedalando, levando-se em conta que numa viagem temos várias horas por dia pedalando e que são vários dias, temos que treinar bastante o tempo de selim para poder estar preparado.

E como quando o assunto é bicicleta, sempre se pode aliar treino com prazer!!!

 

 

 

 

 

 

 

Comece Aqui – Atalhos – Rangerbrasil

Após uma briga em que foi identificado que o grande problema estava na interface com o computador (eu), irei retornar ao projeto de criar e atualizar meu site.

Link para a Página do Projeto BIKELINE, Caminho de Santiago em Bicicleta?

DICAS – BIKELINE – CAMINHO DE SANTIAGO EM BICICLETA

Link para os Posts:

Postagens Via de La Plata Ordem Cronológica

Link filosófico, o que eu penso:

Conceito

Link com as idéias que tive na Via da Plata:

Via de La Plata Filosofia

Abaixo temos algumas fotos da ciclo-peregrinação no Camino de Santiago.

 

Buen Camino!!!

Via de La Plata – Etapa 17 – Palas de Rei – Santiago de Compostela

Via de La Plata – Etapa 17 – Palas de Rei – Santiago de Compostela – 18/09/2014.

Saída de Palas de Rei com tempo chuvoso equipamento completo. Aquele corta vento da Decathlon é muito bom e é vermelho, o que dá mais segurança pois resolvi ir pela carreteira, trecho com muitos Turisgrinos, inclusive Ciclo-turisgrinos.

Novamente volto a dizer que com a 29″ é duro passar pelos tobogãs pelo camino, essa etapa foi pesadíssima com chuva o tempo todo, mas tem suas compensações, quando cheguei em Boente o pároco não estava mas ele deixa a igreja aberta, entrei, sentei e fiz uma prece, foi a primeira igreja do camino que efetivamente entrei, quando estava me arrumando para continuar o mesmo pároco de 2010 chegou, o abracei e chorei muito (ele é um dos anjos do Camino), esse foi um momento muito similar ao ocorrido em 13/05/2010.

Dali continuei ainda debaixo de chuva, num posto de serviços (gasolina) encontrei os ciclistas espanhóis que havia conhecido no Albergue Verde em Hospital de Órbigo, um deles havia começado o Camino em Zaragoza, trocamos uma idéia rápida e pedal!!!

Perto do Monte do Gozo paramos e novamente conversamos.

Pouco antes do Monte do Gozo eu parei e liguei para o La Salle e como eles tinham vaga eu resolvi chegar em Santiago no mesmo dia, continuei, quando estava muito próximo do monumento do monte do gozo caiu uma verdadeira Torrente, em meu momento interior íntimo a música Chove en Santiago não saia da minha mente. Foi MUITO FORTE, lágrimas jorrando indicando que aquela chuva era uma bênção dos céus. E a chuva torrencial continuou até minha chegada na Praça do Obradorio e o que achava que não podia aumentar, aumentou. Eu já todo ensopado fiquei sozinho no meio da praça fazendo as preces em transe!!! ÊXTASE Total!!!

Após encontrar um grupos de ciclistas fomos juntos tirar a compostelana, depois ao chegar no La Salle descobri que estava TUDO molhado, alforge, ferramentas, menos as roupas que estava com duplo isolamento.

 

 

 

 

 

 

Via de La Plata – Etapa 16 – Fonfria – Palas de Rei

Via de La Plata – Etapa 16 – Fonfria – Palas de Rei – 17/09/2014

Saída de Fonfria não muito cedo devido ao vento e frio, comi duas Tortas de Santiago com café com leche, descidão show até começarem as subidas tipo tobogã, com a 29″ fica mais difícil esse sobe desce.

O Monastério de Samos é algo magnifico, o interessante que eu ia reconhecendo o percurso apesar de terem se passado 4 anos e ia antecipando mentalmente o que encontraria, ambiente muito familiar para mim. O trecho de Sarria que passa-se perto da linha do trem com pedras postas ao lado da água é algo absurdamente lindo.

O projeto de ir mais a frente foi debelado pelo tempo “pretão” indicando chuva, parei em Palas del Rei numa pension.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Via de La Plata – Etapa 15 – Ambasmestas – Fonfria

Via de La Plata – Etapa 15 – Ambasmestas – Fonfria – 16/09/2014

Etapa Bucólica, visual que não permitia avançar, sinistro, toda hora parava e ficava olhando para infinito. Outra coisa é o desempenho físico nessa etapa, em 2010 com bicicleta mais pesada e com menos preparo físico subi o Cebreiro com os pés nas costas, acredito ter a ver com eu ter me tornado vegetariano, o que pode prejudicar a reposição de alguns aminoácidos, em contra partida não fiz uso de relaxante muscular (tandrilax), em 2010 era um por dia antes de dormir, estou com o organismo mais “puro”,  outra possibilidade que assumo ser a melhor é que a bike 29″ exige mais do cicloturista que a 26″ mas como esse tem é polemico prefiro não falar agora.

Subida do Cebreiro pesada, dessa vez sem chuva com muito vento visual Show, queria ir até Portomarin, mas forças ocultas me fizeram ficar em Fonfria no Reboleira, que Albergue!!!

Comi um bocadillo de queijo com tomate e torta de Santiago.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Via de La Plata – Etapa 14 – Mítica Foncebadon – Ambasmestas

Via de La Plata – Etapa 14 – Mítica Foncebadon – Ambasmestas – 15/09/2014

Etapa começou fria, com uma serração/neblina muito intensa, temperatura de uns 6-7oC, sai de Foncebadon empurrando a bici para poder curtir mais os elementos, bastante peregrinos no Camino, mas dava para manter a individualidade, não estava saturado.
Subida bem forte até a Mítica Cruz de Ferro, local extremamente energético, depositei meus Agradecimentos ao deus Mercúrio naquele afloramento de energia cósmica.
Eu continuei a peregrinação até Manjarin, onde tomei um café e fiz meus agradecimento a LaMadre.
De Manjarin a Molinaseca foi bem tranquilo, descida maravilhosa que aliada ao frio fez com que colocasse o corta vento. Quase chegando a Molinaseca aconteceu algo inédito, ao freiar numa curva a bicicleta sambou parecendo estar com pneus furados (os dois), ao parar identifiquei que ambos estavam bem vazios, enchi ambos e continuei sem problemas. Acredito que alguma corrente de vento de baixa temperatura que passei aliada a mudança de altitude fez com que eles muchassem pois não precisei reinflá-los depois.
De Molinaseca foi a Ponferrada e passei em frente ao Castillo Templário, depois foram km e kms por esse belíssima região do Bierzo, ao passar em Villafranca del Bierzo senti uma energia muito boa, dali segui até Ambasmestas. Ao passar em Camponayara lembrei da bodega que parei em 2010 ao passar.
Nota: Conheci Fábio de SP, ciclista que está fazendo o Camino de bici com seu filho João de 12 anos.

 

 

 

 

 

Via de La Plata – Etapa 13 – Hospital de Órbigo – Mítica Foncebadon

Via de La Plata – Etapa 13 – Hospital de Órbigo – Mítica Foncebadon – 14/09/2014

Etapa começou tranquila com foto na Ponte do Passo Honroso em Hospital de Órbigo, havia programado de chegar em Al Acebo para ficar no Albergue indicado pelo Acácio, e mandei um whatsapp para eles cancelando.
O pedal começou pela trilha que por sinal está cheia de peregrinos, ênfase para os orientais e os resto está bem misturado. Estava com saudade de dar Buen Camino para outros peregrinos. A Via de La Plata é muito rica, mas muito árgua, isolada e quase não tem peregrinos o que faz com que não haja uma estrutura própria para os peregrinos como no caminho francês.
No caminho francês está rolando direto o transporte de mochilhas e quicá até de peregrinos, albergues lotados e bastante reclamação por clinches.
Muito Cheio mesmo, quando vejo o Acácio falando que está havendo uma massificação de maio e setembro ele tem toda razão.
Em meus pensamentos tenho visto bem mais vantagens de vir em época fria do que nas mais quentes, no frio quase não se fala de clinches, no frio coloca-se agasalho e tudo OK, já no calor o bixo pega.
Voltando ao Camino, deixei Hospital de Órbigo, passei por Astorga e lá tomei o café da manhã oficial, pois no Albergue verde eles tinha somente café descafeinado e não é minha praia. Tomei café no mesmo local que em 2010 encontrei a galera do Hamilton parada, como em 2010 estava chovendo não foi possível tirar fotos, o que fiz dessa vez, são tão bonitas que tem-se a vontade de chorar.
A partir de Astorga começa a ascensão até Rabana, leve mas contínua. Enfim cheguei em Rabanal e fui ao Albergue Pilar que não tinha vaga em habitacion, em Rabanal liguei para o El Convento em Foncebadon que informou ter vaga, decidi subir e para melhorar começou a chover bastante né. A ascensão até Foncebadon é bem forte e empurrei a bike quase o tempo todo, cheguei no albergue me instalei e almocei.

Etapa pesada mas tranquila.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Via de La Plata – Etapa 12 – Benavente – Hospital de Órbigo

Via de La Plata – Etapa 12 – Benavente – Hospital de Órbigo – 13/09/2014

 

Etapa começou lenta, desayonei no Parador e tudo começou lentamente, parei numa loja de Bici para poder colocar outro descanso pois o anterior caiu na etapa anterior em local incerto e não sabido (descanso 7 euros).
Depois me enrolei na saída da cidade e tive que perguntar para um ciclista o Camino, logo achei a placa e me guiei numa cidade chamada Quintana Del Marco.
Havia um Castillo del Torreon do Século XV em ruínas mas muito bonito, dali para frente foi um pedal plano e 1 furo de pneu com o nosso amigo espinho seco.
Cheguei no Albergue Verde (indicação do Acácio), muito bom, segue a linha natureba, oferece cena vegetariana por donativo, estrutura muito boa. Me senti em Visconde de Mauá.

 

 

 

 

 

 

 

Via de La Plata – Etapa 11 – El Cubo de La Tierra del Vino – Benavente

Via de La Plata – Etapa 11 – El Cubo de La Tierra del Vino – Benavente – 12/09/2014

Etapa começou em em estradas rurais até Zamora, e quando chegou num Monumento com 3 totens de granito colocados equidistantes no estilo StoneHanger, o bixo pegou, o centro das pedras tem uma energia muito boa, o que me fez sentar e chorar muito, foi muito bom. Uma das faces de cada pedra tem um texto/poema/oração que são muito fortes, dali sai para Zamora, cidade Linda e foi onde pela primeira vez nesse caminho entrei numa igreja, a de São Cipriano, fiz o ritual básico e sai.
De Zamora para frente a N-630 tem muito transito pois não há autovia paralela, o que prejudicou o avanço por ela, devido a várias obras a sinalização nas estradas e caminos está ruim, tive que pilotar por instrumentos por diversas vezes. Em Granja Moreruela eu tomei a decisão previamente agendada de ir à Santiago por Astorga e não pelo caminho Sanabrês que ficará para outra oportunidade. Dia de ótimo rendimento quando cheguei em Benavente ao ver um Parador num Castillo optei por pousar por lá, ótima decisão.